banner-principal

CooperFamiliar

Apesar de poucos anos de atuação a Cooperfamiliar (constituída em 31/05/2001), possui várias  experiências em construção de desenvolvimento rural, principalmente no envolvimento de pequenos agricultores familiares e indígenas da região Celeiro do RS em políticas públicas como PAA e PNAE. A cooperativa vem se destacando desde 2004 no PAA e a partir de 2010 no PNAE. Nestes anos de operacionalização destas políticas foram beneficiadas direta ou indiretamente, aproximadamente 1.350 famílias carentes e 600 famílias de pequenos agricultores e indígenas fornecedoras dos Alimentos como: feijão, milho para farinha, mandioca, batata doce, hortigranjeiros, frutas e outros produtos que tradicionalmente são produzidos pelas populações tradicionais. A gestão do Programa deu-se através do controle social entre as entidades parceiras e coordenado pela Cooperfamiliar.

A Cooperativa nesse período de existência também executou projetos de Assistência Técnica e Extensão Rural junto a esse público especial, juntamente a ações de captação de recursos com ações focadas na produção de alimentos sem agrotóxico, produção de leite a pasto e organização de feiras e amostras destes produtos, em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA. A cooperativa atualmente vem implantando um projeto patrocinado pela Petrobras chamado: “Agroecologia e rede solidária de comercialização: gerando renda para a comunidade indígena do Guarita”, envolvendo 250 famílias, sendo 200 famílias indígenas e 50 de agricultores familiares.

Este projeto implantou em cada uma das famílias envolvidas, 01 hectare de produção de alimentos agroecologicos, que por vez já apresenta resultados na ampliação de alimentos sem agrotóxicos para a alimentação da família e a venda do excedente para programa PNAE e mercados locais.

No momento a cooperativa está em processo organização do sistema de certificação participativa  destes produtos orgânicos através da “REDE ECOVIDA DE AGROECOLOGIA”. Acreditamos que a construção de parcerias sólidas permite ações que promovam o desenvolvimento regional. Nesse sentido, tem-se procurado desenvolver parcerias com todos os setores da sociedade, movimentos sociais, instituições de ensino, pesquisa, assistência técnica, prefeituras municipais e demais instituições públicas municipais, estaduais e federais.